Documentação Acadêmico

De Gennera Apps
Ir para: navegação, pesquisa

O módulo acadêmico é responsável por controlar toda a gestão acadêmica da instituição de ensino, desde a criação dos cursos, cadastro de alunos e professores, estruturação dos currículos com módulos e disciplinas, passando pela definição do calendário acadêmico, dividido em períodos, até a criação das turmas com seus quadros de horário, aulas, avaliações e médias com suas fórmulas.

O sistema está dividido em:

Cursos

Um curso tem as seguintes propriedades:

  • Nome
  • Código

O código do curso é basicamente uma referência que pode ser utilizada tanto em relatórios quanto participar na composição do código de matrícula de um aluno. Nesse último caso, talvez seja interessante adotar um código numérico.

Seguem abaixo alguns exemplos:

Nome Código
Ensino Infantil EI
Ensino Fundamental I EF1
Ensino Fundamental II EF2
Ensino Médio EM
Ciências da Computação CCO
Direito DIR
Administração ADM
Educação Física EF
MBA em Gestão de Projetos GP
MBA em Gestão Empresarial GE
Formação Internacional em Coaching FIC
Alemão A
Inglês I

Currículos

Os cursos são organizados por meio de um ou mais currículos. Eles são responsáveis por determinar os critérios de modularização juntamente com o conjunto de disciplinas obrigatórias, optativas e atividades complementares, podendo assim determinar os requisitos para que um aluno possa integraliza-lo, ou seja, para que esteja apto a se formar.

Segue abaixo alguns exemplos de currículos.

Curso Currículo
Ciências da Computação 97/1
Ciências da Computação 03/1
Ciências da Computação 07/2

Ao longo do tempo, principalmente nos cursos de ensino superior, novos currículos acabam sendo criados para acompanhar a evolução do mercado e muitas vezes acaba sendo necessário migrar alunos de um currículo para outro.

Módulos

Após criar um currículo é necessário definir seus módulos. É importante lembrar que a palavra módulo pode ser melhor entendida como série, fase, ano ou termo, dependendo do contexto em que esteja sendo compreendida.

Segue abaixo alguns exemplos:

Curso Módulo
Ensino Infantil Maternal
Ensino Infantil Jardim I
Ensino Infantil Jardim II
Ensino Médio 1o Ano
Ensino Médio 2o Ano
Ensino Médio 3o Ano
Direito 1a Fase
Direito 2a Fase
Direito 3a Fase
Direito 4a Fase
Direito 5a Fase
Direito 6a Fase
Direito 7a Fase
Direito 8a Fase
Inglês (Idioma) Básico
Inglês (Idioma) Intermediário
Inglês (Idioma) Avançado
MBA em Gestão de Projetos Único
MBA em Gestão Empresarial Único

Repare que em alguns casos, como no MBA em Gestão de Projetos, não existe o conceito de módulos, sendo todas as disciplinas agrupadas no mesmo lugar. Ainda assim, é necessário criar pelo menos um módulo.

Disciplinas

Após a criação dos módulos é necessário começar a definir as disciplinas de cada um deles.

Além do nome, uma disciplina pode ter as seguintes propriedades:

Código

O código da disciplina é importante para auxiliar a identificá-la, além disso é exibido em diversas telas como o calendário de aulas e também em relatórios.

Área de Conhecimento

Assim como o código, a área de conhecimento é exibida em diversos relatórios como no histórico escolar e no boletim. Uma vez cadastrada, a área de conhecimento pode ser utilizada em qualquer disciplina sem que seja necessário cadastrá-la novamente.

Carga Horária

A carga horária é fundamental, principalmente em cursos mais formais, onde existe o processo de reconhecimento por parte do Ministério da Educação, sendo necessário comprovar uma quantidade específica de carga horária em cada disciplina. Além disso, para integralizar o currículo, é necessário apurar o total de carga horária cursada pelo aluno em diferentes tipos de disciplina, assim, a carga horária deve ser corretamente informada nesses casos. Vale lembrar que a carga horária é estabelecida em horas, e o número informado pode ser casas decimais.

Número de Créditos

Os créditos servem como uma métrica, para auxiliar no cálculo do montante que deve ser pago pelo aluno ou seu responsável financeiro, principalmente no ensino superior. O número utilizado será utilizado no módulo de Matrícula para informar o módulo Financeiro a quantidade de créditos que está sendo comprada.

Obrigatória

As disciplinas marcadas como obrigatórias são necessárias para integralizar o currículo e dependendo da configuração do módulo de Matrícula devem ser selecionadas obrigatoriamente, como nos cursos do Ensino Básico, não é permitido a um aluno do Ensino Médio se matricular em Português mas não se matricular Matemática. Já no Ensino Superior, é possível não se matricular em uma disciplina obrigatória, sendo obrigatório cursá-la até o final do curso.

Pré-requisitos

Principalmente no Ensino Superior, os pré-requisitos são necessários para impedir que um aluno se matricule em uma disciplina sem ter cursado outra anteriormente. Por exemplo, Cálculo A poderia ser pré-requisito de Cálculo B, não permitindo que um aluno que não obteve aprovação em Cálculo A se matricule em Cálculo B.

Co-requisitos

Em alguns cursos, principalmente os que envolvem laboratórios ou mesmo disciplinas correlatas, pode ser interessante estabelecer um co-requisito, ou seja, disciplinas onde o aluno seja obrigado a realizar uma matrícula em conjunto. Por exemplo, Eletrônica Geral e Laboratório de Eletrônica podem estabelecer um co-requisito, ou seja, o aluno é obrigado a cursá-las em paralelo.

Equivalências

As equivalências são fundamentais para estabelecer uma ligação entre currículos do mesmo curso ou até mesmo de cursos diferentes. Por exemplo, considere novamente a disciplina Cálculo A, dessa vez do curso de Ciências da Computação. A mesma disciplina é ofertada no curso de Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica e Engenharia Civil. Caso um determinado aluno tenha problemas para cursá-la, seja por causa do horário de aula ou mesmo algum outro tipo de problema, ele poderia, caso as disciplinas tenham sido estabelecidas como equivalentes, cursá-la em outro curso.

O mesmo conceito poderia se aplicar quando um determinado currículo de um curso é descontinuado. Por exemplo, o currículo 97/1 vai dar lugar ao currículo 03/1 e algumas disciplinas serão ofertadas somente no currículo 03/1. Assim, o aluno do currículo 97/1, caso não houvessem as equivalências, não teria opção no momento da matrícula. Dessa forma, em casos de criação de novos currículos, onde o currículo antigo será mantido por um tempo, as disciplinas equivalentes podem ser estabelecidas, permitindo uma correlação entre os currículos.

Atividades Complementares

As atividades complementares, como seu nome já reforça, são atividades que servem para complementar a formação dos alunos em um determinado curso. Elas não são disciplinas, já que não tem professor associado, aulas, frequência, avaliações ou mesmo notas, sendo controladas apenas pela comprovação de carga horária.

Nome Carga horária mínima
Participação em eventos 100 horas
Publicação de artigos 20 horas
Visitação em empresas 10 horas
Acompanhamento de trabalhados de conclusão de curso 100 horas

Uma vez estabelecidas as atividades complementares, com suas respectivas cargas horárias mínimas, o aluno terá, ao longo do curso, que comprovar a carga horária, sendo necessário que a secretaria acadêmica realize o registro por meio do módulo de Matrícula.

Calendário Acadêmico

Até aqui, tudo que vinha sendo definido não tinha uma relação temporal, ou seja, não estava associado a um ano ou semestre específico. Um mesmo curso, módulo, currículo ou disciplina, pode ser ofertado ao longo dos anos da mesma forma, sem qualquer alteração. No entanto as turmas, quadros de horário, aulas, avaliações, médias, entre outras coisas, variam conforme o tempo passa.

Um calendário acadêmico é definido dentro de uma instituição de ensino e posteriormente é parte do conceito de oferta, que é a junção de um calendário acadêmico, um curso e um currículo.

Para abstrair esse tempo, existe o calendário acadêmico, que é composto por períodos.

Um calendário acadêmico tem as seguintes propriedades:

  • Nome
  • Código
  • Data de Início
  • Data de Fim

O código do calendário acadêmico, assim como o código do curso, pode ser utilizado para compor o número de matrícula do aluno e também é exibido em diversos relatórios. A data de início e de fim serve para criar um limite para a definição de períodos, que devem ser definidos dentro do calendário acadêmico.

Em cursos do ensino básico, em geral o calendário acadêmico é anual, ou seja, geralmente inicia no começo do ano e termina no final. Já nos cursos do ensino superior, geralmente o calendário acadêmico é semestral, iniciando no começo do ano e terminando no meio do ano. Para cursos de pós-graduação, que muitas vezes tem duração de 2 anos, o calendário pode iniciar no início de um ano e terminar no final do ano seguinte. Não existe limite para a forma de utilização do calendário acadêmico, ele deve refletir a realidade dos cursos de cada instituição de ensino.

Normalmente, os calendários acadêmicos são utilizados por todos os cursos da instituição de ensino, por exemplo, em uma instituição de ensino básico, o mesmo calendário acadêmico é utilizado para os cursos Ensino Infantil, Ensino Fundamental I, Ensino Fundamental II e Ensino Médio, que são ofertados em regime anual. Da mesma forma, em uma instituição de ensino superior, todos os cursos como Administração, Ciências Contábeis, Direito e Medicina, são ofertados em regime semestral, utilizando o mesmo calendário.

Existem ainda instituições de ensino superior que ofertam cursos de graduação e pós-graduação dentro da mesma instituição de ensino. Nesses casos, caso os regimes de oferta sejam diferentes, por exemplo semestral e bianual, é recomendada a utilização de um ou mais calendários ao mesmo tempo.

Períodos

Os períodos são a divisão do calendário acadêmico, assim como os módulos são a divisão do currículo. Todo calendário acadêmico deve ser no mínimo um período e ele serve, basicamente, para agrupar um conjunto de aulas, frequência, avaliações, notas e médias.

Um período tem as seguintes características:

  • Nome
  • Código
  • Data de Início
  • Data de Fim
  • É um período de recuperação?

O código do período é útil em diversas situações, entre elas para referenciar as médias do período dentro da definição de uma fórmula. A data de início e a data de fim são, da mesma forma, muito importantes, já que são utilizadas para auxiliar a geração do calendário de aulas a partir da definição dos quadros de horário.

Por exemplo, uma vez definido que toda segunda-feira, na primeira aula, uma determinada turma terá a disciplina de Português, é por meio das datas de início e de fim do período que as aulas serão geradas, dentro destes limites.

Seguem abaixo exemplos de períodos por tipos de instituição de ensino:

Instituição de Ensino Calendário Acadêmico Período Data de início e fim
Básico 2018 1o Bimestre 01/02/2018 - 31/03/2018
Básico 2018 2o Bimestre 01/04/2018 - 30/06/2018
Básico 2018 Recuperação Semestral 01/07/2018 - 10/07/2018
Básico 2018 3o Bimestre 01/08/2018 - 31/09/2018
Básico 2018 4o Bimestre 01/10/2018 - 30/11/2018
Básico 2018 Recuperação Anual 01/12/2018 - 10/12/2018
Superior 2018/1 Regular 01/02/2018 - 30/06/2018
Superior 2018/1 Recuperação 01/07/2018 - 10/07/2018
Pós-Graduação 2018-2019 Regular 01/01/2018 - 31/12/2019

Os períodos não podem ter sobreposição, isso quer dizer que as datas de início de fim devem ser coerentes, não sendo permitido criar um período que inicie antes do fim do período anterior. No entanto, se o período for de recuperação, é permitida a sobreposição já que as atividades podem ser realizadas em paralelo, por exemplo, a recuperação do primeiro bimestre pode ser realizada em paralelo com o início das aulas do segundo bimestre.

Vale lembrar da importância da definição das datas de início e fim dos períodos já que as aulas em geral são geradas a partir do quadro de horários. Assim, uma vez geradas as aulas, caso as datas de início e fim dos períodos seja modificada, as aulas precisam ser geradas novamente e esse processo pode ser complicado se já existirem aulas com frequência registrada.

Cada aluno terá uma média do período, que é calculada a partir das avaliações definidas dentro do período. Existem médias independentes de período, como por exemplo uma média final em uma instituição de ensino básico, que está dividida em quatro períodos, nesse caso chamados de bimestre. Para calculá-la é necessário considerar as médias dos quatro períodos fazendo assim uma equação para a definição do média final.

Ofertas

Uma instituição de ensino oferta seus cursos e currículos de acordo com seus calendários acadêmicos, ou seja, em 2018/1, uma instituição de ensino superior vai ofertar seu curso de Administração, currículo 97/1, assim como em 2018, uma instituição de ensino básico vai ofertar seu curso de Ensino Fundamental, currículo 9 anos.

Da mesma forma, uma instituição de ensino pode decidir não ofertar um determinado currículo ou mesmo um curso em um calendário acadêmico.

Assim, uma oferta tem as seguintes propriedades:

  • Calendário Acadêmico
  • Curso
  • Currículo

Seguem abaixo alguns exemplos de ofertas:

Calendário Acadêmico Curso Currículo
2018 Ensino Fundamental I 9 anos
2018 Ensino Fundamental II 9 anos
2018/1 Ciências da Computação 07/1

A partir de uma oferta, são definidas as turmas. Elas geralmente variam de um calendário para o outro, por exemplo, pode ser que em um determinado momento, exista um aumento na demanda dos cursos de Ensino Médio, 1o Ano, então mais turmas devem ser criadas. Em outro ano, essa demanda pode ser reduzida, levando a criação de menos turmas.

Essa é a importância das ofertas, criar um aspecto temporal, relacionando cursos e currículos que posteriormente serão parte do processo de matrícula.

Turmas

As turmas, juntamente com os períodos, são utilizadas para agrupar alunos, professores, quadros de horário, aulas, frequência, avaliações, notas e médias. Após a definição das ofertas, as turmas devem ser definidas por módulo, ou seja, em um curso do Ensino Infantil, as turmas dos módulos Maternal, Jardim I e Jardim II devem ser criadas individualmente.

Uma turma tem as seguintes propriedades:

  • Nome
  • Disciplinas
  • Professores
  • Vagas

As disciplinas pertencem ao módulo que é parte de um currículo. Assim, uma turma se restringe a ofertar ou não uma determinada disciplina, no entanto não é capaz de alterar, por conta própria, o módulo aonde a disciplina foi definida, já que essa é uma responsabilidade do currículo.

Assim, em cada oferta, é possível definir quais disciplinas serão ou não ofertadas. Em um curso de ensino básico, essa característica não é tão importante já que todas as disciplinas são obrigatórias e devem ser ofertadas como: Português, Matemática, Física, Química, História, Geografia entre outras. Já no ensino superior, nem sempre uma disciplina optativa está disponível em um determinado calendário acadêmico. Pode ser que não tenha professor disponível ou mesmo que o regime de oferta da disciplina tenha uma periodicidade mais longa, assim é possível não ofertar uma disciplina específica em uma oferta.

Um ou mais professores são vinculados por turma. Ao serem vinculados, eles estão habilitados a registrar frequências para os alunos, criar avaliações e lançar notas, entre outras atividades normais, do dia a dia de um professor.

Por fim é possível definir também uma quantidade específica de vagas para uma disciplina em uma turma. Essa definição é feita por disciplina, já que podem existir disciplinas em salas de tamanhos diferentes, inclusive laboratórios onde a capacidade de alunos varia bastante.

Aulas

Após a definição das turmas é possível começar a definir as aulas, por turma. Esse processo pode parecer simples, mas envolve alguns passos importantes. O primeiro deles é a definição dos horários de aula.

Horários de Aula

Geralmente, as instituições de ensino padronizam os horários de aula, por exemplo:

Aula Horário
Aula 1 08:00 - 08:50
Aula 2 08:50 - 09:40
Aula 3 09:40 - 10:30
Intervalo 10:30 - 10:50
Aula 4 10:50 - 11:40
Aula 5 11:40 - 12:30

É possível criar mais de um grupo de horários de aula, que acabam sendo importantes caso seja necessário organizar a entrada dos alunos, a duração das aulas ou mesmo os horários dos intervalos em horários diferentes.

Quadro de Horários

Com os horários de aula definidos, é possível criar as aulas de duas formas, a partir de um quadro de horários, que é uma espécie de matriz que relaciona os horários de aula, os dias da semana e as disciplinas. Essa forma de definição das aulas é muito utilizada no ensino básico e nos cursos de graduação do ensino superior, onde existe uma recorrência nas aulas, ou seja, toda segunda-feira, das 08:00 às 08:50, tem aula de português.

Segue abaixo um exemplo de quadro de horários:

Aula Segunda Terça Quarta Quinta Sexta
Aula 1 Português Biologia Ed. Física Português Física
Aula 2 Matemática Religião Inglês Química Biologia
Aula 3 História Matemática Biologia Ed. Física Português
Intervalo - - - - -
Aula 4 Geografia Português Matemática Matemática Química
Aula 5 Inglês História Física Inglês Matemática

Uma vez definido o quadro de horários de uma turma, é possível gerar as aulas para um ou mais períodos ou mesmo utilizando um intervalo de datas.

Essa forma de criar aulas faz bastante sentido para a maior parte das instituições de ensino, no entanto, nos cursos de pós-graduação, ou em cursos não formais, pode ser mais recomendado criar as aulas em dias específicos, diretamente, já que não existe recorrência.

Caso seja necessário alterar um quadro de horários após a geração das aulas, é possível gerar novamente. Podem existir restrições caso já exista o registro de frequência para as aulas definidas pelo quadro de horários.

Avaliações

As avaliações podem ser definidas pela instituição de ensino ou pelo próprio professor. A instituição de ensino pode realizar a definição das avaliações por disciplina, para todas as turmas e períodos, ou fazê-lo por turma ou por período.

Uma avaliação tem as seguintes propriedades:

  • Nome
  • Código
  • Nota Máxima
  • Peso

O código da avaliação pode ser utilizado para definição de uma fórmula de cálculo da média do período. Caso a fórmula de cálculo não seja definida, é possível definir apenas os pesos de cada avaliação e deixar que a média seja calculada de forma ponderada, de acordo com os pesos definidos.

A nota máxima é utilizada para validar a digitação da nota por parte do professor, não permitindo que seja digitada uma nota maior do que a nota máxima definida.

Segue abaixo um exemplo de avaliações definidas para uma turma e disciplina:

Período Avaliação Nota Máxima Peso
1o Bimestre Prova 1 10 0.4
1o Bimestre Prova 2 10 0.4
1o Bimestre Trabalho 10 0.2

Caso o professor seja responsável por definir as disciplinas, elas podem ser criadas por meio do módulo Sala de Aula.

Configuração

Dias não trabalhados

Os dias não trabalhados são levados em consideração no momento de gerar as aulas para os quadros de horário. Assim, ainda que uma determinada data faça parte de um período, caso um determinado dia seja não trabalhado, não será criada uma ou mais aulas nesse dia.

O sistema já fornece a lista básica de feriados, nacionais, que podem ser gerados para cada ano, no entanto os feriados regionais e os dias não trabalhados pela instituição de ensino precisam ser cadastrados.

É importante que os dias não trabalhados sejam cadastrados corretamente e no momento certo, antes da geração das aulas, caso contrário será necessário ajustar as aulas posteriormente.

Sistema de Avaliação

O sistema de avaliação é quem determina a aprovação ou reprovação de um determinado aluno nas disciplinas em que ele está matriculado em um calendário acadêmico específico.

Para isso, é necessário levar em consideração os seguintes aspectos:

  • Qual média deve ser utilizada para avaliar o aluno?
  • Qual é a média mínima necessária para aprovação?
  • Qual é o percentual mínimo necessário para aprovação?

Uma instituição de ensino pode definir um sistema de avaliação para todas as ofertas do seu calendário acadêmico, ou seja, para 2018, todas as ofertas, por exemplo, o Ensino Infantil, o Ensino Fundamental I, o Ensino Fundamental II e o Ensino Médio farão uso do mesmo sistema de avaliação onde a média utilizada é a Média Final, cadastrada previamente, a média mínima para aprovação é 7 e o percentual mínimo de frequência é 75%.

Calendário Acadêmico Curso Módulo Média Nota mínima Frequência mínima
2018 - - Média Final 7 75%

Caso o Ensino Infantil, por exemplo, utilize uma média diferente, ou mesmo tenha uma média mínima para aprovação ou percentual mínimo de frequência para aprovação diferentes, será necessário criar dois sistemas de avaliação da seguinte forma:

Calendário Acadêmico Curso Módulo Média Nota mínima Frequência mínima
2018 - - Média Final 7 75%
2018 Ensino Infantil - Média Final 6 70%

Médias

Existem dois tipos de médias, a média do período, que é calculada por meio das avaliações definidas, e a média, que é independente de período e permite que sejam criadas fórmulas que equacionam das médias dos períodos juntamente com as médias.

Assim, é possível criar médias semestrais, médias finais antes da recuperação, médias finais, entre outros tipos de média.

Considerando um calendário acadêmico com 4 períodos, denominados bimestres: B1, B2, B3 e B4. É possível criar uma média chamada de Média Final, ou MF, onde:

MF = (B1 + B2 + B3 + B4) / 4

Dentro da fórmula, existe suporte para a linguagem de programação JavaScript, assim, é possível criar diversos tipos de equação, levando em consideração qualquer média de período ou média definida.